Molusco contagioso: tudo o que você precisa saber

Molusco

Quem tem filho pequeno, que já teve molusco, sabe o quanto essas “bolinhas” incomodam. A criança coça, a pele fica irritada e com isso elas se espalham ainda mais. Além disso, por serem contagiosas, as creches e escolas normalmente solicitam o afastamento, até que o problema seja resolvido, o que atrapalha, e muito, a rotina de pais que trabalham fora de casa. Por isso, no artigo de hoje, vamos conversar sobre essas bolinhas chamadas de “molusco”.

Mas o que é o molusco?

Molusco contagioso é uma infecção da pele causada por um vírus da família Poxvírus, que se manifesta como bolinhas na pele. Elas podem ser pequenas ou grandes, da cor da pele ou levemente avermelhadas. Podem passar despercebidas, ou coçarem muito. Algumas são confundidas com picada de mosquito. Geralmente começam como uma, no máximo duas, mas sem o tratamento correto elas aumentam e espalham pelo corpo. É mais comum em crianças atópicas (alérgicas), provavelmente por diminuição da resposta imune.
O molusco é uma doença contagiosa e a transmissão é fácil e rápida entre crianças que frequentam escolas, pelo contato pele com pele, assim como através de brinquedos compartilhados. Por isso, as professoras normalmente pedem o afastamento da criança, até que ela seja tratada e o médico libere.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico é feito com o auxílio do dermatoscópio (um aparelho usado por dermatologistas). É muito importante diferenciar o molusco de outras doenças que também apresentam bolinhas, como: picada de inseto, herpes, infecções bacterianas, impetigo, ceratose pilar, pseudolinfoma, verrugas, psoríase, pitiríase rubra pilar, líquen nítido e outras condições que podem ser parecidas, mas que apresentam tratamentos completamente diferentes.

E qual é o tratamento?

O tratamento mais comum para o molusco é a curetagem, que consiste na raspagem profunda das lesões, com um instrumento dermatológico. Entretanto, esse procedimento não é aceito pela maioria das crianças, pois é doloroso, mesmo com o uso de cremes anestésicos.
Atualmente, existem outras formas de tratamento, que podem eliminar o molusco sem a dor da curetagem. Além disso, medicamentos orais e cremes de uso domiciliar, prescritos pelo médico, também podem ser utilizados. É muito importante que o tratamento seja realizado por dermatologista pediátrico experiente, para que a doença não se espalhe ainda mais. O tratamento realizado com ácidos, em casa, comprados sem orientação médica, pode desencadear manchas e cicatrizes permanentes na pele da criança, por isso, não são indicados.

Espero ter ajudado!!!
Até o próximo post!!!

Para marcação de consultas: (21) 99522-4451
Dra. Leticia Castagna de Abreu
Médica Dermatologista
Especialista em Dermatologia pela SBD/AMB
CRM: 52-84712 7 e RQE:18698