O banho do bebê: dicas práticas

A pele dos bebês exige atenção especial, e o cuidado na hora do banho é passo fundamental nesse processo. Por isso, o assunto de hoje são dicas simples, mas superimportantes, para não errar nesse momento tão gostoso. Espero que gostem.

Estudos recentes divergem em relação à frequência do banho no bebê. Seria apenas após cair o coto umbilical? Duas vezes por semana? Diariamente? Geralmente a indicação é individual e depende das condições do nascimento e do histórico médico da mãe e do pai. Esta orientação pode ser dada pelo dermatologista pediátrico, mesmo antes do nascimento, através de uma consulta detalhada com os pais.

A imaturidade da pele dos bebês, caracterizada pela espessura diminuída (poucas camadas), associada à baixa quantidade de lipídeos, faz com que a pele fique vulnerável ao contato prolongado com a água. Assim, durante o banho, a pele torna-se mais permeável, facilitando a perda de água, o que causa desidratação e ressecamento, além de permitir a entrada de resíduos presentes na água e substâncias aplicadas sobre ela, como sabonetes, xampus, cremes, pomadas e outros produtos, aparentemente inofensivos, que podem causar alergia, dermatite e até intoxicação.

Por conta disso, como regra geral, o banho do bebê não deve durar mais do que 5 minutos. O banho de imersão, em banheira, é o mais recomendado. Em alguns casos, entretanto, o médico pode indicar outras formas, principalmente nos bebês com dermatoses, ou histórico familiar de certas doenças dermatológicas.

Os sabonetes devem ter o pH da pele, que é levemente ácido. Isso favorece o crescimento da flora bacteriana normal, que atua como um “escudo” protetor contra infecções. Xampus nem sempre são indicados, principalmente enquanto os cabelos forem curtos e em pequena quantidade. Caso sejam utilizados, o ideal é que apresentem pH semelhante ao da lágrima, para não causar irritação nos olhos.

A temperatura da água deve ser parecida com a da pele, que é ligeiramente mais baixa que a temperatura corporal, em torno de 34•C (enquanto a temperatura corporal fica em torno de 36,5•C). Na hora de secar, não esfregue a pele do bebê, isso danifica ainda mais a superfície cutânea, que já é frágil. Dê suaves “tapinhas” com a toalha.

O uso de hidratantes é um assunto controverso. Embora seja indicado com o objetivo de ajudar na formação da barreira protetora da pele, na prática pode provocar maceração, o que aumenta o risco de algumas infecções.

Além disso, dependendo da sua composição química, o contato repetido pode desencadear dermatite, alergias ou absorção sistêmica de algumas substâncias, o que pode ser prejudicial.

Para quem tiver interesse em saber mais, estou preparando posts específicos sobre sabonetes, xampus e hidratantes infantis!! Aguardem!!

E aí, gostaram das dicas?

Até o próximo artigo!!
Dra. Leticia Castagna
Dermatologista Pediátrica
Especialista pela SBD
CRM 52 84712 7
RQE 18698
Marcação de consultas: 21 99522 4451